img { max-width: 100%; height: auto; width: auto\9; /* ie8 */ }

ARQUIVOS VINIS

Os "Arquivos Vinis" não disponibilizam conteúdos para download e não exercem quaisquer atividades com fins lucrativos ou profissionais.



20/08/16

28/07/16

Menino-Anjo

Foto de Maureen Bisilliat, Brasil, 1965.




Belchior

o que é que pode fazer o homem comum neste presente instante senão sangrar
tentar inaugurar a vida comovida, inteiramente livre e triunfante?
(...)
não, eu não sou do lugar dos esquecidos
não sou da nação dos condenados
não sou do sertão dos ofendidos
você sabe bem: conheço o meu lugar!

(belchior)





Lettera 32 (1980-1985)

(*


26/07/16

Foto de Robert Doisneau (1912-1994)


se não for na esfera da poesia
não se iluda
é tudo reles mercadoria

(*



Toninho Horta



Duas canções correlatas de Toninho Horta (em parceria com Ronaldo Bastos e Fernando Brant), gravadas no mesmo LP (1980) e falando sobre tempo, amor e amizade.

(...)
o que o vento não levou
o tempo não apagou
nem a dor pode apagar
quando quer renascer
o amor é natural
ele chega quando quer
ele fica quanto quer
ele vai se quiser...
("caso antigo")

(...)
mas se o tempo muda
ela se faz mulher
vem a saudade do que a gente é
vem a vontade de estar juntos
e ser o caso mais antigo
mais que bons amigos somos
muito mais que bons amigos...
("bons amigos")






25/07/16

Little Walter, 1930-1968

Blues with a feelin',
that's what I have today
Blues with a feelin',
that's what I have today





(*



seus olhos são apenas
álibi
de seu instintivo tato

(Foto de Horst P. Horst, 1941)

Poema


por aqui
reconto a saga impossível
expio o lábio proibido
resgato a luz invisível
conquisto o mar descabido
abstraio a cela impassível
liberto o signo cingido
e mitifico o vulgar crível
por aqui
(*


(Foto de Eva Fuka)

Vapor Barato (Jards Macalé & Waly Salomão)



Oh sim!
Eu estou tão cansado, mas não pra dizer
Que eu não acredito mais em você
Com minhas calças vermelhas
Meu casaco de general, cheio de anéis
Vou descendo por todas as ruas
E vou tomar aquele velho navio
Eu não preciso de muito dinheiro
E não me importa, honey
Oh minha honey
Baby, baby, baby.......Honey, Baby

Oh sim!
Eu estou tão cansado, mas não pra dizer
Que eu estou indo embora
Talvez eu volte, um dia eu volto
Mas eu quero esquecê-la
Eu preciso
Oh minha grande, oh minha pequena
Oh minha grande obsessão

Oh minha honey
Baby, baby, baby.......Honey, Baby...

Eu vou-me embora...
Sem medo daqui





24/07/16

"O nascimento", Kishin Shinoyama, 1968

Atavicamente esperam de nós o desenredo das peles, mas poucos sabem dos mistérios da luz...

(*


21/07/16

Laerte


Antonio Maria


Lettera 32 (1980-1985)


Flor de Obsessão



De vez em quando alguém me chama de "flor de obsessão". Não protesto e explico: - não faço nenhum mistério de meus defeitos. Eu os tenho e os prezo (estou usando os pronomes como o Otto Lara Resende na sua fase lisboeta). Sou um obsessivo. E, aliás, que seria de mim, que seria de nós, se não fossem três ou quatro ideias fixas? Repito: - não há santo, heroi, gênio ou pulha sem ideias fixas.
Só os imbecis não as tem.
(Nelson Rodrigues)

Torquato Neto - Daqui pra lá, de lá pra cá

                                          (Foto de Antonio Noronha, retirada de "Torquato Neto, Os Últimos Dias de Paupéria")


Outra pérola de Torquato Neto, belamente musicada por Fagner.


"Daqui pra lá, de lá pra cá"

Era um pacato cidadão sem documento 
Não tinha nome profissão não tinha tempo 
Mas certo dia deu-se um caso 
E ele embarcou num disco 
E foi levado pra bem longe 
Do asterisco em que vivemos 

Ele partiu e não voltou 
E não voltou porque não quis 
Quero dizer ficou por lá 
Já que por lá se é mais feliz 

E um espaçograma ele enviou 
Pra quem quisesse compreender 
Mas ninguém nunca decifrou 
O que ele nos mandou dizer 
Terra mar e ar atenção 
O futuro é hoje e cabe na palma da mão 

Para azar de quem não sabe e não crê 
Que se pode sempre a sorte escolher 
E enterrar qualquer estrela no chão 
Viet vista visão viet vista visão 

Terra mar e ar atenção 
Fica a morte por medida 
Fica a vida por prisão